18/04/2009

Hoje é dia Mundial dos Monumentos e Sítios

Não podemos afirmar que Castelo Branco é uma cidade com muitos monumentos. Pelo menos não é património da humanidade. Tem, no entanto, monumentos, alguns classificados como património nacional e alguns sítios que a tornam única e caracterizam. É preciso conservá-los, preservá-los, melhorá-los, mas não adulterá-los, tirando-lhes todo o carisma e beleza. É o que o saloísmo, armado em modernismo tem andado a fazer nesta cidade. Infelizmente, uma certa comunicação social, igualmente saloia e ignorante, tem aplaudido incondicionalmente todos os atentados patrimoniais.
Apresentamos a seguir, neste dia, que devíamos celebrar com gosto, aquilo que recusamos:
Este era um sítio fresco, agradável, com uns arcos adornados de trepadeiras debaixo dos quais nos sentávamos para estudar ou simplesmente apreciar a paisagem. Os arcos já foram.
Deixamos ao leitor a identificação do sítio. Não é muito difícil para quem o frequentou no passado. Para quem não o conheceu antes, apenas pode imaginá-lo.

Mas sempre vamos adiantar o seu nome. "Isto" é o que antes se chamava o "Miradouro de S. Gens", na encosta do Castelo.

9 comentários:

Clausewitz disse...

Oi, sou o Clausewitz e gostaria de lhe convidar para visitar meu blog e conhecer alguma coisa sobre o Brasil. Abração

Anónimo disse...

Sr. PAco:
Pode editar uams fotos das banheiras do Largo de S. João?

Paco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paco disse...

Amigo Anónimo

obrigado pela sugestão. Eu passei lá hoje de carro, mas não me apercebi bem das banheiras. Na primeira oportunidade vou tirar umas fotos.

Paco

Carlos Vale disse...

As banheiras do Largo de S.João vem,afinal,dar razão aos que chamavam a atenção para o vazio desértico daquele espaço e para a falta de árvores e plantas.
Como em outros locais voltou a reinar a improvização,imagem de marca desta câmara,sinal que houve falta de sensibilidade nas opções
escolhidas. Carlos Vale

Ricardo S. disse...

Absolutamente de acordo.Quem fez o projecto esqueceu-se das condições climatéricas.A principal culpa está em quem aceitou o projecto. Parece-me que as "banheiras" com pequenas árvores ou plantas sempre é melhor do que nada.Mas, não deixa de ser um remendo.E, remendos em coisa nova, prova que o projecto falhou. Como diz C.Vale, reina a improvização.
Quem criticou tinha razão. Sinto-me realizado. Sou um dos criticos.
Ricardo S.

Anónimo disse...

Como sempre a desertificação em tudo até nas ideias.
No caso dos arcos apenas duas vozes disseram que era melhor manter. Adivinhem quem... o apelido começa por S

Anónimo disse...

já agora ai sobre o miradouro de S.Gens "Este era um sítio fresco, agradável, com uns arcos adornados de trepadeiras debaixo dos quais nos sentávamos para estudar ou simplesmente apreciar a paisagem" está frase do sr. paco é algo estranha pois o jardim encontravsse todo grafitado sujo e feio agora vai ficar limpo bonito e na mesma com sombras quanto as trepadeira que nunca existiram e os arcos só impedia uma vista limpa e seguida da bonita paisagem dali avistada.

espaçoPRANAHOUSE disse...

Cada vez mais sinto-me triste ao ver como a cidade é esventrada. Vou à minha cidade meia dúzia de vezes por ano e cada vez mais sinto-a descaracterizada, choca-me que situações como esta do miradouro possam ter acontecido, com o beneplácito dos meus conterrâneos. Há coisas positivas que tenho notado, mas não sou adepto de sacrificar a memória em nome de intervenções de (na minha modesta opinião) gosto duvidoso. Mais me custa ainda ouvir amigos que se referem à cidade, depois de a revisitarem passados anos, afirmar que sentem ter-se perdido algo; ou pior ainda, ouvir acidentalmente uma conversa à mesa de um café de Lisboa, onde um paisano comentava para o outro: "Cidade jardim? Eh! pá! aquilo é só pedras e mais pedras e só falta areia para parecer o deserto!..." - percebi que se referia aos famosos jardins que tanto nome deram à nossa terra.

José Júlio Vaz de Carvalho da Silva Cruz
Montemor-o-Novo (Albicastrense e morador durante 18 anos no Cansado)