10/02/2009

A cidade de Castelo Branco e o futuro

Recentemente assisti a um colóquio sobre alterações climáticas. As ideias apresentadas obrigam-nos a reflectir sobre o futuro do planeta, mas também sobre o nosso país, as nossas cidades, as nossas vilas e aldeias.
Alguém, bastante conceituado quer socialmente quer cientificamente, afirmou (cito de memória) que a cidade de Castelo Branco é, em termos climáticos, uma cidade de extremos: temperaturas muito altas no Verão e muito baixas no Inverno, o que torna difícil a vida das pessoas. Referindo-se às obras do Polis e a todas as que se seguiram, deveriam ter sido executadas tendo em atenção essa realidade, procurando diminuir os efeitos do excesso de calor e de frio. No entanto, o que aconteceu foi exactamente o oposto. NUNCA o que foi e está a ser feito. Deviam ter sido plantadas árvores, criados ou substituídos jardins, criados lagos para tornar mais ameno o clima. Nada disso. Foram plantados "pinocos" e não árvores. Foram feitos "jardins de pedra" que absorvem o calor com facilidade (Verão quente) mas também o perdem com facilidade (Inverno frio).














Estas afirmações servem simplesmente para reforçar a nossa oposição às intervenções pós-modernas, bacocas e de esbanjamento de dinheiro. Servem para mostrar que a cidade mudou para pior. A afirmação arrogante "Castelo Branco é uma cidade virada para o futuro" não passa de uma afirmação de quem não houve nem aceita opiniões contrárias à sua, porque ele é que sabe (Belo conceito de democracia!).
A transformação de Castelo Branco numa cidade de um futuro simultaneamente gelado e escaldante não é mais que a manifestação de um estilo de gestão autista, convencido e ignorante.
No entanto, temos esperança que os albicastrenses saberão dar a resposta adequada aos responsáveis, que infelizmente vai ser tardia.

4 comentários:

Carlos Vale disse...

É verdade.Também assisti ao colóquio.Estou de acordo com quem, tão sábiamente,explicou o que de mau tem sido feito na cidade.E, pelo que vamos vendo,a coisa vai piorar.Quando se é convencido e se despreza quem sabe,é o que acontece.Ninguém é obrigado a saber tudo.Se soubermos juntar os diversos saberes e dialogármos,é possível fazer algo de positivo. Mais,usufruimos e deixamos para os outros usufruirem.A História tem muitos exemplos.O melhor da humanidade, acontece quando os seres agem colectivamente, quando são solidários.É tempo de abrir os olhos.Caso contrário,as asneiras vão continuar.Algumas estão na calha! Carlos Vale

AD disse...

O problema está em haver certas e determinadas pessoas (no poleiro) que não tem a humildade de reconhecer que não sabem tudo. Querem o apoio das suas equipas para tudo, mas são os primeiros a não saber trabalhar em equipa.

AD

paulo disse...

é puramente redutor e primário estabelecer a análise de uma cidade nas questões climáticas!!!! Castelo Branco sempre foi quente no verão e frio no Inverno, sempre com grandes amplitudes térmicas... Esta é uma cidade virada para o futuro pois soube crescer economicamente e revelar uma grande capacidade de desenvolvimento... Portugal é Litoral o resto é paisagem, isto sim tem que ser banido da mentalidade dos nossos politicos...

Ricardo S. disse...

Para o Paulo.
O que quer dizer com "crescer económicamente".
Cuidado com as frase feitas.
Em que lugar está Castelo Branco no "campeonato"? Que rendimento em relação outros concelhos e à média nacional?Qual o valor acrescentado?
Onde estão as sedes sociais das grandes empresas d zona industrial?
Capacidade de desenvolvimento, a perder população?Não leu o jornal? Numa coisa acertou, os politicos que tem decidido,só vêem o litoral Era mais certo dizer governantes e até,tem nomes.
Sempre foi quente no verão e fria no inverno! E não fazemos nada? Contemplamos as asneiras do mestre de obras e batemos palmas?
Li um artigo do Dr Costa Alves, que deve saber o que está a dizer, sobre o clima e a cidade.
Redutor e Primário? Veja lá! Em que planeta tem andado? De qualquer modo,obrigado. Olhe,desabafei...
Ricardo S.