16/11/2008

O silêncio da solidão

Um programa de rádio tornou diferente um dia que se apresentava com um sol que prometia uma caminhada serena por caminhos orlados de árvores com cores de outono, a cor de fogo que aquece o coração.
A solidão de que falava a voz da rádio era a dos velhos que vão sendo esquecidos e abandonados porque "a velhice é feia, triste e incómoda".
A velhice que é abandonada, a velhice que é agredida com palavras, que é agredida fisicamente, porque o seu tempo passou e já só espera a morte que não chega.
Que sociedade construímos em que o humano perdeu o valor, em que os pais passaram a ser estranhos e os avós já não contam histórias porque vivem no silêncio da solidão. A sua voz deixou de se ouvir, porque o que interessa não é a sua presença mas o que de material possa deixar.
Para onde vamos se a vida se tornou uma luta que põe em causa os valores que ainda não há muito tempo a família era fundamental e os filhos respeitavam os pais?
Hoje, os pais são ofendidos mas dizem "que posso eu fazer, é meu filho?"

1 comentário:

Les copains d'abord disse...

Viva
Espectacular blogue
Junto o do meu pai de que falamos
Abraço
Pedro
http://voarforadaasa.blogspot.com/