04/03/2009

A pobreza da crise

Na última sessão da Assembleia Municipal de Castelo Branco, realizada no último dia do mês de Fevereiro, o presidente da câmara, o sr. Morão produziu a seguinte afirmação: "Não há fome nem miséria no concelho". É caso para perguntar: em que planeta vive este senhor? Ou então esta é a teoria do oásis. Em todo o país há crise, há desemprego, há fome, mas Castelo Branco, tal como o oásis no deserto onde não falta a água, ficou imune à crise e aos seus efeitos. E por obra de quem?
O sr. Morão deve andar distraído e ainda não ouviu falar que em Portugal (números do governo) há cerca de 18% dos portugueses (o que quer dizer que são cerca de 2 milhões) a viver abaixo do limiar da pobreza, que é viver com menos do que o ordenado mínimo. Estes dois milhões não têm nada a ver com Castelo Branco.
Este é o argumento de quem não quer fazer nada para ajudar a combater os efeitos da crise. Ou então há falta de ideias para ajudar as pessoas.
Será que na câmara nunca ouviram falar de que há filas cada vez maiores nas instituições que distribuem bens alimentares e roupas a quem precisa?
Será que na câmara nunca ouviram falar que já há pessoas em Castelo Branco à procura de comida nos caixotes do lixo, mas, infelizmente, até esses estão cada vez mais vazios?
Será que na câmara nunca ouviram falar que há pessoas a passar mal, mas com vergonha de mostrar as suas dificuldades as escondem e apenas o dizem, por exemplo, aos seus médicos quando confrontadas com a situação?
Será que nunca chegou junto do sr. Morão alguém que ficou desempregado há mais de dois anos e já não tem subsídio de desemprego e lhe pediu roupa e dinheiro, como já me aconteceu?
Está na altura de a câmara fazer alguma coisa para minorar os efeitos da crise aos mais necessitados e não se inventem desculpas para não fazer nada.

3 comentários:

Carlos Vale disse...

"O cego ergueu as mãos diante dos olhos, moveu-as,Nada,é como se estivesse no meio de um nevoeiro,é como se tivesse caído num mar de leite,Mas a cegueira não é assim, disse o outro,a cegueira dizem que é negra,Pois eu vejo tudo branco,Se calhar a mulherzinha tinha razão, pode ser coisa de nervos,os nervos são o diabo"(.)
"É possível que esta cegueira tenha chegado ao fim,é possível que comecemos todos a recuperar a vista"(..)
"por que foi que cegámos,Não sei,talvez um dia se chegue a conhecer a razão, Queres que te diga o que penso,Diz,Penso que não cegámos,penso que estamos cegos,Cegos que vêem,Cegos que,vendo,não vêem."
(José Saramago,Ensaio sobre a cegueira)
Será que é necessário dizer mais sobre a teoria do "oásis"?
Será que Castelo Branco faz parte do planeta Terra?
Será,que é coisa de nervos?
Ou,Cegos que,vendo,não vêem?
Carlos Vale

Anónimo disse...

Bom dia Paco
Bom dia Carlos

Esta merece comentário, por três motivos (até pareço o Ângelo Correia, salvo seja...):
1.O texto merece.Ponto.
2.O comentário do Carlos não podia ser mais oportuno e original.
3.Há dias encontrei uma frase na internet ilustrada pelos 3 célebres macacos, que dizia assim:
"O pior cego é o que não quer ver. Tal como o pior surdo é o que não quer ouvir e o pior 'mudo' é aquele que,mesmo sem deixar de ouvir e ver, insiste em falar!!"

Forte abraço.
João Teixeira

gil das vacas disse...

A sociadade dividiu-se em duas classes os protegdos e os presseguidos
Os presseguidos os pobre sao isentos de obsevassoes.Os poderosos so os veem ,e reconhecem na semana das elecoes.
No dia que os presseguidos entenderem votar(poque estes nao se preocupam em votar),virao os tachos dos poderosos.
E nessessario falar da verdade tal qual como ela e,deveos ser honestos.